O que os brasileiros estudam sobre Afroempreendedorismo

Como maneira de compreender o que se tem pesquisado sobre Afroempreendedorismo no Brasil, integrei em minha dissertação uma revisão sistemática (ou estado da arte) e assim tentar entender: quais áreas de pesquisa tratam do tema; de quais regiões do país são os estudos; em quais níveis acadêmicos estão alocadas as pesquisas; quais metodologias são utilizadas; e quais problemas de pesquisas aparecem nos estudos sobre Afroempreendedorismo.

A busca pelos trabalhos foi realizada nos repositórios Google Acadêmico, Scielo e Capes pelas palavras-chave “afroempreendedorismo”, “afro empreendedorismo”, “empreendedorismo negro”, “afro-empreendedorismo”, “afroempreendedor”, “afro empreendedor”, “empreendedor negro”, “afro-empreendedor” em língua portuguesa a respeito dos trabalhos publicados nos últimos 10 anos (2008 – 2018). Além da língua, os critérios de inclusão trabalhos que continham os termos de busca nas palavras-chave ou no resumo. Não foram encontrados trabalhos nos repositórios Scielo e Capes, porém no Google Acadêmico encontramos 20 trabalhos. Na aplicação do segundo nível de inclusão – estar em língua portuguesa e ter propriamente o tema no desenvolvimento do trabalho – restaram 14 trabalhos.    

O ano de 2018 foi o que mais teve publicações sobre o tema: ao todo foram 9. A maioria dos trabalhos são monografias (5), seguido de paper de evento (3), periódicos (2), tese (1), dissertação (1), livro (1) e capítulo de livro (1) e os trabalhos tratam principalmente de economia (5), identidade (4), racismo (4) e epistemologia (1). Sobre metodologias, o memorial descritivo e a etnografia são aos dois métodos mais utilizados, estando em 11 e 7 trabalhos, respectivamente. Já em relação às áreas, antropologia aparece em destaque com 8 trabalhos e administração com 3. Aparecem ainda comunicação, ciências humanas, ciências sociais e sociologia. E por fim, sobre os níveis acadêmicos identificados, temos especialização e mestrado com 3 publicações cada.

Em uma observação qualitativa, vemos algumas características que se sobressaem, como a questão da territorialidade abordada em trabalhos como o de Lima e Benevides (2018) sobre o afroempreendedorismo em Salvador, tendo como ponto de partida os negócios alocados no co-working Ujamaa. As autoras levam em consideração o fato de a cidade ser a maior em quantidade de pessoas negras fora da África, questões históricas e sociais da população negra no Brasil e os benefícios da formação de uma rede de colaboração entre os afroempreendedores.

Já no artigo de França, Dias e Oliveira (2018) os autores buscam expor as dificuldades enfrentadas por empreendedores negros na cidade de Uberaba, Minas Gerais. Sobretudo a partir da concepção do preconceito racial enquanto raiz de uma dificuldade maior para estabelecer e manter os empreendimentos. Os negros empreendedores da região metropolitana do Rio de Janeiro são o foco de pesquisa na dissertação de Santos (2017). O autor busca compreender as influências raciais no empreendedorismo e ressalta a importância de se discutir raça no campo da administração. Como resultados, o pesquisador elenca aspectos da identificação e significado do trabalho por parte dos afroempreendedores.

No trabalho de monografia de Teixeira (2017), o autor analisa os desafios e oportunidades para empreendedores negros no Distrito Federal. Para tanto, o pesquisador aplicou entrevista em profundidade com empreendedores negros acerca da vivência, identidade, discriminação e opiniões a respeito da Feira ‘Coisa de Preto’ e a Lei 5.447/2015, que instituiu o Programa Afroempreendedor do Distrito Federal. Texeira conclui que os empreendedores usam do espaço que alcançaram para afirmar sua identidade racial, com uma representação positiva do negro em seu empreendimento e na geração de empregos e/ou prestação de serviços para outros afrodescendentes.

Outros aspectos aparecem nas pesquisas já publicadas sobre a temática do afroempreendedorismo, como as questões sociais e econômicas abordadas nos trabalhos de Nascimento (2018), que analisa o perfil socioeconômico e cultural para explorar quais as motivações e o sentido atribuído na prática empreendedora da população negra no Brasil, e no artigo de Souza (2015), que discute o papel do BNDES e do SEBRAE no fomento e capacitação do empreendedorismo negro brasileiro. Para tanto, o autor argumenta sobre a impossibilidade de dissociar desenvolvimento econômico da equidade racial. O pesquisador analisa o relatório do SEBRAE “Os donos de negócio no Brasil: análise por raça/cor” e as políticas de investimento do BNDES.

As organizações que tratam de afroempreendedorismo são temas de diversas pesquisas, dentre elas a de Qundondo (2017) pela qual o autor apresenta uma análise do perfil dos afroempreendedores da cidade de Criciúma, em Santa Catarina. Principalmente dos filiados à rede Afroem, identificando ao fim que a maioria dos participantes da rede é do ramo do comércio e que os empreendedores sofrem com recursos financeiros para iniciar ou manter seus empreendimentos. Já na tese de Silva (2016), a autora aborda, a partir do viés antropológico, as imbricações entre política e economia nas relações estabelecidas no evento ‘Feira Preta’. A autora considera em sua análise o contexto social e político do país nos últimos 15 anos, os mecanismos de solidariedade que potencializam a construção de imaginários e espaços, além da ênfase no papel protagonista de mulheres negras na articulação e mobilização estética e política no Brasil contemporâneo.

A Reafro (Rede Brasil Afroempreendedor) é tema de dois trabalhos, o de Silva (2017), em que a autora busca compreender como as atividades empreendedoras da Reafro reforçam a identidade afrodescendente dos seus associados. Além disso, a autora busca: elencar as atividades empreendedoras propostas pela Reafro e Reafro do Rio Grande do Sul; identificar os motivos que levaram os empreendedores a se associarem à Reafro/RS; identificar a presença do tema da identidade afrodescendente no material institucional e no discurso da rede; e compreender a relação dos associados com o tema da identidade afrodescendente.

Já na monografia de Simão (2017), o autor discute o perfil dos Afroempreendedores da Reafro também no Rio Grande do Sul e os impactos do pertencimento à rede para os negócios. O pesquisador identificou, como parte dos resultados, que as mulheres negras são maioria na rede, grande parte são microempreendedoras individuais e prestam serviços. Além disso, o autor constata que o pertencimento à rede Reafro trouxe benefícios para a maioria dos entrevistados em seu trabalho.

Já os trabalhos de Oliveira (2018a; 2018b) fazem uma aproximação da teoria da economia étnica e o afroempreendedorismo a partir da análise de redes sociais com páginas de grupos e associações relacionados ao tema, e a partir da página no Facebook da Feira Cultural Preta.

Por fim, encontramos o livro “O Empresário Negro – Trajetórias de sucesso em busca de afirmação social”, de José Aparecido Monteiro, publicado somente em 2001 e com segunda edição em 2017, mas que reúne história de empreendedores negros do final da década de 80. O livro conta a trajetória da pesquisa realizada pelo autor, que entrevistou pequenos empresários negros em torno de temas relacionados ao empreendedorismo negro como ferramenta de desenvolvimento econômico e humano. O autor ressalta em seu trabalho a necessidade de organizar coletivamente ações para a promoção do grupo enquanto comunidade historicamente discriminada.

Portanto, observamos uma forte demarcação territorial nos trabalhos analisados, além de estudos que têm como ponto de partida a atuação de grupos ou associações, como os trabalhos que analisam a Reafro, Afroem e Feira Preta. Além disso, vemos que grande parte dos trabalhos foi publicada muito recentemente (entre os últimos dois anos), fato que demonstra a crescente observação e importância do tema. Não há, além dos trabalhos originados desta própria pesquisa, outros que se relacionam à teoria da economia étnica, tampouco com viés da tecnologia e internet.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DOS SANTOS LIMA, Anan Karoline; BENEVIDES, Tânia Moura. Economia
Colaborativa e Afroempreendedorismo: Uma Análise Sobre Articulação Desses dois
Conceitos no UJAMAA Coworking. Revista em Gestão, Inovação e
Sustentabilidade
, v. 4, n. 1.

FRANÇA, Bruno Olympio; DIAS, Sheila Caetano; DE OLIVEIRA, Alex Sandro Souza.
Empreendedorismo: Análise do Afroempreendedor da cidade de Uberaba. REVISTA
FACTHUS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO
, v. 1, n. 3, p. 149, 2018.

MONTEIRO, José Aparecido. A formação e a ação coletiva do
empresariado afro-brasileiro: processos e desafios
. In: NOGUEIRA, João
Carlos (Org.). Desenvolvimento e empreendedorismo afro-brasileiro: Desafios
históricos e perspectivas para o século 21. Florianopolis: Atilende, 2013.

NASCIMENTO, Eliane Quintiliano. Afroempreendedorismo como estratégia de
inclusão socioeconômica. Anais do Seminário de Ciências Sociais,
v. 3, 2018.

OLIVEIRA, Taís. Redes Sociais na Internet e a Economia Étnica:
breve estudo sobre o Afroempreendedorismo no Brasil. 
Anais do
41º Encontro do Intercom
. Joiville, 2018

OLIVEIRA. Redes Sociais na Internet, Narrativas e a Economia Étnica:
breve estudo sobre a Feira Cultural Preta. In: SILVA, Tarcízio;
BUCKSTEGGE, Jaqueline; ROGEDO, Pedro (orgs.). Estudando Cultura e
Comunicação com Mídias Sociais
. Brasília: Editora IBPAD, 2018.

QUNDONGO, Vladmir António. Perfil empreendedor dos afro-empreendedores de
Criciúma. 2018.

SANTOS, Edy Lawson Silva et al. Relações raciais e empreendedorismo:
um estudo sobre negros empreendedores na região metropolitana do Rio de
Janeiro.
2017.

SILVA, Gleicy Mailly da. Empreendimentos sociais, negócios
culturais: uma etnografia das relações entre economia e política a partir da
Feira Preta em São Paulo
. 2016. Tese de Doutorado. Universidade de São
Paulo.

SILVA, Jéssica Cristina Fernandes da. Empreendedorismo e identidade
afrodescendente: o caso da REAFRO. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade
Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 2017.

SIMÃO, João Carlos Ngila. Afroempreendedorismo: perfil dos afroempreendedores da região do Rio Grande do Sul e quais os impactos de pertencer a uma rede de afroempreendedores: estudo de caso Reafro/RS. 2018.

SOUZA, Henrique Restier da Costa. O papel do BNDES e do SEBRAE no
fomento e na capacitação do Empreendedorismo Negro.
Anais do I
Congresso de Pesquisadoras(es) Negras(os) do Sudeste, 2015.

TEIXEIRA, Lineker Gomes. Afroempreendedores: desafios e
oportunidades para empreendedores negros no Distrito Federal
.
 Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em
Administração)—Universidade de Brasília, 2018.

Redes Sociais na Internet e a Economia Étnica: Um estudo sobre o Afroempreendedorismo no Brasil

Em agosto deste ano defendi minha dissertação sobre Redes Sociais na Internet e a Economia Étnica: Um estudo sobre o Afroempreendedorismo no Brasil. O percurso no mestrado em Ciências Humanas e Sociais na Universidade Federal do ABC (UFABC) iniciou em 2017 e foram dois anos e meio de leituras, eventos, congressos, artigos, orientações, mudança de rumo, grupos e núcleos de pesquisa. Etapas e atividades que foram essenciais para o desenvolvimento da pesquisa.

Dividida em três partes principais que formam o tripé da fundamentação teórica, a dissertação tem uma base na comunicação com o estudo que começa observando as redes sociais na internet, discute aspectos políticos-sociais da formação da população negra no Brasil e analisa as aproximações da Teoria da Economia Étnica, que tem suas bases na sociologia do trabalho, com o Afroempreendedorismo.

Da subsistência ao Afroempreendedorismo: uma outra economia é possível?

A Teoria da Economia Étnica pressupõe a ação coletiva sobre o desenvolvimento de trabalho e renda de pessoas que pertencem ao mesmo grupo étnico. Aqui no Brasil, por exemplo, temos trabalhos que tratam da formação econômica de italianos, espanhóis, chineses, etc. Sua aplicabilidade teórica se aproxima do que chamamos hoje de Afroempreendedorismo enquanto atividade desenvolvida por profissionais e empresários negros com o objetivo de obter renda.

É importante ressaltar que a pesquisa passa por uma trajetória de primeiramente compreender como ocorre a formação econômica da própria população negra no Brasil. Sobretudo em relação aos momentos cruciais na história como em todas as fases econômicas do país que usufruem de corpos negros para enriquecer determinados grupos étnicos, o fim da escravidão sem qualquer respaldo para a população negra, a lei da vadiagem, entre outras ocasiões até chegar em tempos mais contemporâneos com as leis de cotas e ações políticas de acesso à educação superior.

A conexão com o Afroempreendedorismo ocorre ao observar que o tema é discutido tanto em movimentos populares: a dissertação é inspirada principalmente na observação de grupos como Feira Cultural Preta, Afrobussines, BlackRocks Startup, Movimento Black Money, entre outros; em trabalhos acadêmicos: apresento uma revisão sistemática de trabalhos que tratam do Afroempreendedorismo no Brasil que, embora num contingente pequeno, já traz debates muito importantes calcadas nas mais diversas áreas do conhecimento; mídia: sobretudo nos últimos anos o tema Afroempreendedorismo têm ganhado destaque em jornais, programas de tv, rádio, etc; e também de políticas públicas: analiso os 10 últimos anos do tema nos relatórios da Seppir e o estudo sobre o acesso ao microcrédito produtivo liderado pelo Prof. Doutor Marcelo Paixão, da UFRJ.

Como dito anteriormente, as minhas primeiras observações sobre o Afroempreendedorismo enquanto um fenômeno possível de análise surge no ambiente digital ao conhecer importantes projetos, lideranças, grupos focados nesta pratica e indo ao território experienciar essa vivência. Portanto, parto da discussão da apropriação tecnológica, da aglomeração por interesse nas plataformas de mídias sociais e da manifestação de identidades nesses espaços. Portanto, neste capítulo trago autores que apresentam reflexões sobre identidade, diáspora, humanidades digitais negras e uso das tecnologias e internet para fins coletivos.

Metodologia e alguns resultados

Além da fundamentação teórica e das duas revisões sistemática sobre Afroempreendedorismo e a Teoria da Economia Étnica, a dissertação conta a Análise de Redes Sociais na Internet, formulário online direcionado aos Afroempreendedores e entrevista semi-estruturada aplicada aos nós que se destacaram na rede.

A partir da estrutura da rede observamos a predominância de representações que valorizam e reforçam a estética negra, sobretudo no primeiro cluster e elementos que surgem também nas demais comunidades. A rede nos mostra páginas que representam certa preocupação com problemas sociais como as que aparecem na comunidade de Comunicação Alternativa e Direitos Humanos. Importante ressaltar a quantidade expressiva de páginas de veículos de comunicação que atuam como uma ferramenta alternativa de fluxo de informação e que explicitam em seus títulos a questão racial ou de território, como Alma Preta, Mundo Negro, Por Dentro da África, Blogueiras Negras, Portal Correio Nagô e Mídia Periférica. Outro aspecto de destaque são os diversos artistas negros que aparecem em pelo menos três comunidades distintas. Assim, podemos destacar que principais temáticas relacionais da rede de afroempreendedores tratam de estética e beleza, problemas sociais e direitos humanos, comunicação e artes. Elementos que não permeiam especificamente a prática afroempreendedora, mas que sugerem um entrelaçamento com a própria identidade e vivência da população negra.

A rede pode ser explorada interativamente aqui.

Já sobre o formulário online, alguns dos resultados nos levam a outras questões, tais como: por que há mais mulheres do que homens no circuito afroempreendedor? Por que mais pessoas jovens e solteiras? Será que o maior grau de escolaridade influencia na opção por ser afroempreendedor? Quais as razões que levam aqueles com negócios focados em algum aspecto da cultura negra optarem por isso? Por fim, vale pontuar alguns aspectos metodológicos que podem enviesar os resultados, como grande parte dos respondentes serem do estado de São Paulo e o formulário ter circulado somente online, o que talvez já elimine uma gama de perfis de afroempreendedores sem acesso à internet.

As entrevistas semiestruturadas foram realizadas com quatro afroempreendedores responsáveis por páginas que se destacaram na rede pelo grau de entrada. São eles: Jaciana Melquiades da ‘Era Uma Vez o Mundo’, Wanessa Yano, da ‘Ayê Acessórios’, Michelle Fernandes, da ‘Boutique de Krioula’ e Evandro Fióti, da ‘Laboratório Fantasma’. As perguntas variaram entre a trajetória pessoal de cada afroempreendedor, a rotina e a importância das ferramentas da internet, sobretudo os sites de redes sociais, o afroempreendedorismo e a relação com a identidade, posicionamentos e perspectivas políticas e a relação do afroempreendedorismo com o sistema capitalista que estrutura e perpetua o racismo.

Diante disso, acreditamos que as principais características do afroempreendedorismo, enquanto atividade desenvolvida por profissionais e empresários negros com o objetivo de obter renda, vão além do aspecto econômico e dedicam-se também a suprir demandas ocasionalmente desenvolvidas por problemas sociais, políticos e estruturais. Os afroempreendedores empregam emoções, identidade que demarcam sua etnicidade em seus negócios, eles têm indignações e acreditam na capacidade de alterar cenários a partir de suas redes afroempreendedoras. Todavia, observamos que em sua maioria empreender é construir o passado e o presente de suas histórias, dado suas condições de vida, pois a prática do afroempreendedorismo também demarca as disparidades no ato de empreender entre negros e não-negros, sobretudo ao que se refere ao capital social, econômico e político desses grupos.  

A pesquisa completa está disponível para leitura e download via Slideshare:

Redes Sociais na Internet e a Economia Étnica: um estudo sobre o Afroempreendedorismo no Brasil from Taís Oliveira