EnegreceR[P] – Precisamos falar do público negro

Desde 2008, quando iniciei a graduação, e mais especificamente em 2009, quando decidimos ter um blog sobre relações públicas, nunca vi nenhuma ação, debate ou evento no Novembro Negro ou em qualquer outro período do ano que abordasse a questão dos profissionais e estudantes negros das relações públicas (se tiver algum que passou batido, me avisem, por favor). Pela primeira vez, em seis anos de Versátil RP, vamos enegrecer esse espaço.

As motivações são muitas, a começar pela minha úlcera que ataca cada vez que leio ou vejo os colegas definindo apontamentos racistas como “mimimi” e “vitimismo”. Sempre me pergunto qual a utilidade dos dois anos de base humanística da Comunicação Social para um “profissional” ter uma concepção tão simplória de uma questão profunda e estrutural. Além dessa motivação, em 2014 um colega RP me chamou inbox no Facebook para contar uma situação racista que ele tinha passado e isso me fez repensar muitas situações. Outro ponto este ano participei de um processo seletivo em uma empresa X, nos dias que estive lá fiz o famoso “teste do pescoço” e não vi um negro nos departamentos administrativos e de comunicação, além de eu ser a única negra participando da seleção e, mesmo com todos os pré-requisitos, não fui sequer notificada sobre o fim do processo seletivo (concluam vocês).

Juntando tudo isso, íamos aplicar uma pesquisa para mapear e entender esse público – os profissionais e estudantes negros das relações públicas. Porém, seria algo complexo e que não estávamos totalmente preparados por se tratar de um nicho muito específico, além do nosso cronograma estar bem cheio. Logo, optamos por propor essa provocação ao mercado, aos colegas, às entidades de classe e às universidades no mês da consciência negra, e quem sabe no próximo ano podemos até pensar juntos ações para abordar essa temática? Continue lendo

Related Post

Relações Públicas no contexto das mídias sociais

No ano de 2014 as Relações Públicas completarão 100 anos no Brasil. Nesse período muitas coisas mudaram na comunicação, desde a maneira como ouvimos música: da vitrola, rádio, discos, walkmans, mp3 ao iPod; a maneira como consumimos entretenimento: da televisão tubo em preto e branco, a televisão à cores, Lcd, plasma, smart TV; a forma como lemos os livros: dos impressos, online e leitores digitais; Entre tantas outras evoluções midiáticas.

A comunicação das organizações, dos profissionais e os relacionamentos acompanharam tais mudanças, principalmente nas últimas duas décadas com a presença cada vez mais importante e maciça da rede mundial de computadores conectados. E o que muda para as Relações Públicas nesse novo cenário?

Destaco aqui três pontos de vista relacionados às Relações Públicas que considero indispensáveis: a atuação do profissional no ambiente digital e o uso dos canais; a presença dos públicos no ambiente digital e usuários dos canais; e o ambiente digital e os canais para a valorização da profissão. Continue lendo

Related Post

Livro – Cartas a um jovem relações-públicas

cartas-jovem-rpDesde o lançamento de Cartas a um jovem relações-públicas” (2010) esperei que alguém me presenteasse com o livro, mas isso, infelizmente, não ocorreu. Então, decidi ir à livraria e comprar (rss). Sou fã da coleção “Cartas a um jovem” e fiquei bastante ansiosa para saber como seriam as cartas relacionadas à minha profissão.

A série da editora Campus é composta por várias cartas escritas por profissionais de uma determinada área (comunicação, contabilidade, empreendedorismo, música, etc), considero um ótimo primeiro passo para quem quer entender a mecânica e as nuances de uma carreira, li três livros da coleção.

Lala Aranha é quem escreve as cartas à jovem Luiza, personagem criada para homenagear sua madrinha e avó Luiza de Freitas Valle Aranha. Lala cursou Letras pela Faculdade de Filosofia da UNFRGS e Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas e Publicidade pela Faculdade de Meios e Comunicação (PUC). Exerce atividades de RP desde a década de 80, teve longa experiência na agência Ogilvy, fundou Cali Assunção Publicidade junto com Ronald Assumpção, Clóvis Calia e Elmer Pereria. Ingressou na CDN em 2003, onde está atualmente, como sócia e diretora de Relações Públicas. Continue lendo

Related Post