Livro – Diferentes, Desiguais e Desconectados

O livro Diferentes, Desiguais e Desconectados (3ª edição, 2009) é uma obra do antropólogo argentino Néstor García Canclini, autor que tem um vasto repertório nos estudos culturais e trabalha principalmente com foco na América Latina. Nesse texto, especificamente, ele trata da multiculturalidade e da interculturalidade dos povos latino-americanos no contexto da globalização e a partir daí discute como as diferenças geram desigualdades e desconexões.

O livro levanta questões acerca dos novos arranjos sociais em decorrência da globalização e vai na contramão da homogeneização da sociedade pregada por entusiastas da “pós-modernidade”, busca encontrar caminhos a partir do saber interdisciplinar (antropologia, sociologia e comunicação) como artefato para reconhecer as diferenças, corrigir as desigualdades e entender como conectar as maiorias às redes globalizadas. Canclini, além de focar nos povos latino-americanos, deixa claro já no início do texto que tem como autores de referência Pierre Bourdieu, Clifford Geertz e Paul Ricoeur, tanto que o terceiro capítulo ele faz uma análise das ideias de Geertz e Bourdieu.

Na introdução ele discute bastante a questão da identidade e define multiculturalidade e interculturalidade, a primeira trata da justaposição de etnias ou grupos em uma cidade ou nação e supõe aceitação do heterogêneo, já a segunda “implica que os diferentes são o que são, em relações de negociação, conflito e empréstimos recíprocos” (p. 17), ou seja, não há (ou não deveria) existir a necessidade de “aceitar” ou o famoso “tolerância” aos diferentes, mas apenas as relações entre grupos diferentes de forma natural.

“As teorias comunicacionais nos lembram que a conexão e desconexão com os outros são parte da nossa constituição como sujeitos individuais e coletivos. Portanto, o espaço inter é decisivo. Ao postulá-lo como centro das investigações e da reflexão, estas páginas buscam compreender as razões dos fracassos políticos e participar da mobilização de recursos interculturais para construir alternativas”. (p. 31)

Por várias Canclini critica a unicidade e o universalismo epistemológico de cultura do “pós-modernismo”, no segundo capítulo o autor propõe uma conceituação de cultura com a preocupação nas diferenças, então afirma que que “cultural” seria o termo mais adequado, pois mesmo indo na contramão ou além da definição de cultura por Geertz “um sistema de significados”, o termo enquadrado no adjetivo faria mais sentido enquanto recurso para os diferentes, afirma ser o cultural um “choque de significados nas fronteiras; como a cultura pública que tem sua coerência textual mas é localmente interpretada; como redes frágeis de relatos e significados tramados por atores vulneráveis em situações inquietantes; como as bases da agência e da intencionalidade das práticas sociais correntes” (citando Ortner na p. 48).

Tela do seminário sobre o texto para a disciplina de Sociedade da Informação: Cultura, Comunicação e Mídia na UFABC | Por Bruno Giordano e Taís Oliveira

Para falar de identidade, apropriação e consumo de bens culturais, Canclini aborda o conceito de sociossemiótica da cultura que é o processo de produção, circulação e consumo de significações na vida social e das quatro tendências da cultura como processo sociomaterial e significante: 1) cultura em que cada grupo organiza sua identidade; 2) cultura como uma instancia simbólica da produção e reprodução da sociedade; 3) cultura como uma instancia da conformação do consenso e da hegemonia; e 4) cultura como dramatização eufemizada dos conflitos sociais.

Para o autor a globalização neoliberal mais do que resolver põe em evidencia as dificuldades que persistem quando se quer articular diferenças, desigualdades, procedimentos de inclusão-exclusão e as formas atuais de exploração e reafirma que a problemática da desigualdade econômica reside principalmente nos processos históricos da configuração social. E observa, sobretudo, a demanda étnico-política dos que desejam ser reconhecidos nas suas diferenças e viver em condições menos desiguais. O principal questionamento é como converter em fortaleza esse desencontro entre afirmação e diferença e impugnações à desigualdades?

Na segunda parte do livro o autor foca em falar com mais ênfase na América Latina, então fala sobre nominalismo, ou melhor, a falta de um nome único para as várias culturas latinas. E guia parte das páginas seguintes a partir das seguintes questões: Como ir além de definições ingênuas da subjetividade para construir um trabalho sólido para cidadanias possíveis? Que tarefas de investigações teóricas e políticas são necessárias? Como ser representados enquanto sujeito numa dominação completa da mídia? Como ser receptores ativos?

Tela do seminário sobre o texto para a disciplina de Sociedade da Informação: Cultura, Comunicação e Mídia na UFABC | Por Bruno Giordano e Taís Oliveira

Canclini traz de maneira brilhante críticas ao conceito de pós-moderno, fala da situação dos migrantes em contra-ponto aos nômades por escolha (ou os mais conhecidos atualmente por nômades digitais), fala também dos processos interculturais e das leis de proteção social que não acompanham a abertura cultural da condição globalizada, aborda a questão do lugar de fala e da necessidade de ir além do ponto de vista das elites do conhecimento. Isso tudo para tentar traçar uma reflexão sobre como a globalização pode ser menos excludente e a respeito da necessidade de políticas regionais e mundiais para a garantia da diversidade cultural.

Livro – Cultura da Convergência

cultura-convergencia

“As mídias tradicionais são passivas. As mídias atuais, participativas e interativas. Elas coexistem. E estão em rota de colisão. Bem-vindo à revolução do conhecimento. Bem-vindo à Cultura da Convergência.

Esse é a chamada na capa do livro de Henry Jenkins, A Cultura da Convergência, que retrata vários aspectos das mudanças da comunicação tradicional em relação aos avanços da internet e da tecnologia. O livro todo é embasado em exemplos reais, o que facilita a compreensão dos conceitos debatidos. O autor fala de comunidades do conhecimento e exemplifica como o programa Survivor dos Estados Unidos e cita por diversas vezes Pierry Lévy e a inteligência coletiva. Jenkins fala também de como os fóruns na internet influenciaram a audiência do programa American Idol (no Brasil, “Ídolos”).

O capítulo que mais gostei foi o que fala de narrativa transmídia, que utiliza a franquia do filme Matrix como exemplo. Até assisti o filme outra vez, já que no livro ele retrata alguns detalhes que passaram despercebidos sem as informações adicionais. A ênfase é dada ao fato de que para entender completamente a trama é preciso consumir os filmes, os gibis, os games, etc., pois um se interliga ao outro somando informações. Ainda nos filmes, mas em outro capítulo com a mesma temática, o autor cita as produções alternativas dos fãs de Guerra nas Estrelas e um debate muito paradoxal sobre direitos autorais e a atuação dos fãs. Qual o limite da licença poética? O que é plágio? Vale a pena entrar em “guerra” com os fãs (maiores consumidores da franquia)? Continue lendo

Related Post