Livro: Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais

O IBPAD acaba de lançar o livro ‘Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais’. A obra – disponível para download gratuito –  conta com 20 capítulos que abordam temas em quatro eixos: Métodos, Identidades, Política e Mercado da Comunicação.

Tive o grande prazer de colaborar com o capítulo ‘Redes Sociais na Internet, Narrativas e a Economia Étnica: breve estudo sobre a Feira Cultural Preta’ onde faço uma análise do conteúdo e da rede formada a partir da página da Feira Preta e a relação dos aspectos observados com a teoria da economia étnica. Baixe gratuitamente.

Como citar:

Livro: SILVA, Tarcízio; BUCKSTEGGE, Jaqueline; ROGEDO, Pedro (orgs.). Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais. Brasília: Editora IBPAD, 2018.

Capítulo: OLIVEIRA, Taís. Redes Sociais na Internet, Narrativas e a Economia Étnica: breve estudo sobre a Feira Cultural Preta. In: SILVA, Tarcízio; BUCKSTEGGE, Jaqueline; ROGEDO, Pedro (orgs.). Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais. Brasília: Editora IBPAD, 2018.

41º Intercom Nacional: Desigualdades, gêneros e comunicação

Aconteceu entre os dias 2 a 8 de setembro na Univille, em Joinville/SC, o 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – o Intercom – que teve como tema ‘Desigualdades, gêneros e comunicação’.

O evento contou com cerca de 2.500 participantes, abertura oficial com Áurea Carolina,  mesa com Rosane Borges, diversas homenagens ao Professor José Marques de Melo – que, infelizmente, faleceu neste ano – mini-cursos, premiações,  entre outras atividades. No próximo ano o congresso será recebido em Belém do Pará com o tema ‘Fluxos Comunicacionais e a Crise da Democracia’.

Apresentei no Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura Digital artigo sobre ‘Redes Sociais na Internet e a Economia Étnica: breve estudo sobre o Afroempreendedorismo no Brasil’, trata-se de uma aplicação prévia da minha dissertação em andamento. O artigo completo está disponível no link e a apresentação abaixo.

 

 

Reports interessantes para acompanhar – Parte II

Entre as formas de me manter atualizada estão as queridas newsletters! <3

Recebi informações interessantes nas últimas edições e decidi compartilhar algumas por aqui, espero que seja útil. 😉 

 

Live com Safiya Umoja Noble via Data&Society.

  • Noble é pesquisadora, professora e autora do livro (e tema da live) Algorithms of Oppression que trata dos algoritmos em mecanismos de busca e a representação de grupos minoritários, principalmente de mulheres negras e como os algorítimos reforçam do racismo e machismo. A pesquisadora também é co-organizadora do livro “The Interesectional Internet: Race, Sex, Culture and Class Online”.

Fala de danah boyd sobre algoritmos e o impacto na sociedade

Conselho da Europa atualiza General Data Protection Regulation (GDPR) via InternetLab

  • Provavelmente, nos últimos dias você recebeu diversas notificações dos apps e outros serviços de internet sobre atualização das políticas de uso dos dados pessoais, certo? Isso se deu em decorrência da nova regulamentação da GDPR que está em vigor desde 25 de maio e que visa estabelecer marcos na proteção de dados pessoas na era da internet e tecnologia.  Aqui um artigo recente e em português sobre o tema.

FGV e Open Knowledge Brasil publicam índice de dados abertos de cidades brasileiras via InternetLab

  • O índice avaliou os níveis de transparência em oito municípios brasileiros, dentre os quais Belo Horizonte-MG, Brasília-DF, Natal-RN, Porto Alegre-RS, Rio de Janeiro-RJ, Salvador-BA, São Paulo-SP e Uberlândia-MG. O material está disponível para consulta e download aqui.

O edital 2018 para Agentes de Governo Aberto no município de São Paulo está disponível

  • De 09 de junho – 09 de julho a Prefeitura Municipal de São Paulo via São Paulo Aberta e a Controladoria Geral do Município recebem propostas para credenciar Agentes para as oficinas sobre Governo Aberto na cidade. Serão selecionados 30 Agentes, sendo 26 Agentes Formadores (com bolsas de R$ 1500,00/mês) e quatro Tradutores Interpretes de Libras (com bolsas de 1.123,60/mês). Mais informações aqui.

Énois lança pesquisa para mapear diversidades nas redações

  • O objetivo é verificar a presença de diversidade nas redações e, consequentemente, na produção e disseminação de informação e o quanto isso impacta na sociedade. Participe aqui.

Fundo Brasil de Direitos Humanos lança edital para enfrentamento de racismo

  • Lançado nessa última quarta-feira (13) o edital visa selecionar projetos que receberão, a partir de uma parceria com a Fundação Open Society, cerca de R$490k em investimentos. Saiba mais aqui.

Artigo 19 lança publicação sobre exposição de identidade

  • O material conta 16 casos de pessoas que tiveram suas identidades reveladas ao solicitar dados públicos. O principal objetivo da proposta é expor a falta de mecanismos que garantam proteção à identidade dos requerentes de informação. Acesse a publicação aqui.

Cinco vídeos para entender o Afroempreendedorismo no Brasil

Já comentei por aqui sobre minha pesquisa de mestrado que trata de afroempreendedorismo na perspectiva da teoria da economia étnica.

Talvez o tema ainda seja distante para alguns, mas não por isso. Para ilustrar, nesta semana foi ao ar o Programa Mundo S.A. sobre afroempreendedorismo e contou com a participação de Adriana Barbosa da Feira Cultural Preta, Luana Teófilo do Painel Bap, Carlos Humberto da Diáspora Black, Bruno e Brigida do Clube da Preta e Nina Silva do Movimento Black Money.

Oportunidade excelente para compreender um pouco mais o ecossistema desse movimento. Deixo também mais quatro vídeos que trazem debates interessantes sobre o tema.

 

 

 

 

 

Diversidade étnica nos bancos de imagens, conheça o Nappy

Há cerca de um ano o Desabafo Social promoveu uma campanha de conscientização, questionamento e provocação sobre a homogeneização dos bancos de imagem. Depois da repercussão, o Shutterstock incluiu no mecanismo de busca um filtro de cor/etnia.

Porém, ainda hoje, sobretudo em plataformas gratuitas de bancos de imagens, é muito difícil encontrar diversidade e principalmente pessoas negras nas fotos. Para nós, profissionais de conteúdo e social media, é um desafio constante desenvolver um material próximo da realidade brasileira composta por uma população 54% negra.

Outro dia em conversa com amigas, a Nathália Alves indicou o Nappy, banco free com modelos negros em diversas situações.

No descritivo do site os criadores (que também são idealizadores da agência Shade) explicam:

Eu amo Unsplash, Pexels e Shot Stash, mas uma das coisas que notei é que todo o conteúdo deles poderia usar um pouco mais de diversidade. […] somos muito intencionais sobre a representação cultural no trabalho que fazemos. E por isso, nem sempre conseguimos encontrar as fotos que precisamos desses sites. […] Por exemplo, se você digitar a palavra “café” no Unsplash, raramente verá uma xícara de café sendo segurada por mãos pretas. É o mesmo resultado se você digitar termos como “computador” ou “viajar”. Você pode encontrar uma ou duas imagens, mas elas são muito raras. Mas os negros também bebem café, usamos computadores e certamente amamos viajar.

 

Considero essas iniciativas de extrema importância, ainda mais num contexto em que a diversidade têm se tornado pauta de forma relativamente massiva.