UFABC promove evento sobre o “Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha”

O evento, que será em 23 de julho, tem como objetivo marcar o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha com debates e reflexões acerca da mulher negra no ambiente acadêmico e sua atuação na sociedade. 

Acontecerá uma tarde de conversas e trocas no campus de São Bernardo do Campo da Universidade Federal do ABC em duas mesas de debate com ativistas e pesquisadoras. Abrindo o evento, fala de Taís Oliveira (Neab/Ufabc) e da Prof.ª Regimeire Maciel, coordenadora executiva do Neab/Ufabc, celebrará a importância da data e sua história.

As inscrições devem ser feitas pelo link: http://bit.ly/mulhernegraufabc 

A primeira mesa tem como o tema “Mulheres Negras na Construção do Saber” e contará com a presença de Amarilis Costa (Coletivo Preta & Acadêmica), Ariane Cor (Coletivo Minas Programam) e Ana Venâncio (Coletivo Negro Vozes UFABC) com mediação da professora Luciana Xavier.

A segunda mesa discutirá “Mulheres Negras nas Ciências em tempos de desmonte“, com a participação de cientistas e professoras de diferentes instituições: Regina Maria da Silva (professora da rede pública), Tatiana Oliveira (USP), Maria Clara Araújo (UFPE) e mediação de Dulci Lima (Neab/Ufabc).

A atividade é organizada pelo Núcleo de Estudos Africanos e Afro- Brasileiros da Universidade Federal do ABC – NEAB/UFABC, que é uma unidade acadêmica interdisciplinar com atividades explicitamente vinculadas aos estudos africanos e afro-brasileiros e à educação para as relações étnico-raciais. Para mais informações: http://nucleos.ufabc.edu.br/neab

Sazonalidades e Posicionamento nas Mídias Sociais: Raça, Gênero e Sexualidade no Sistema Conferp

Durante essa semana acontece o XIII Congresso Brasileiro Científico de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas na Cásper Líbero, em São Paulo. Esse ano o evento tem como tema Comunicação, opinião pública e organizações.

Apresento artigo no GT de Comunicação digital, inovação e tecnologias cuja abordagem é Sazonalidades e Posicionamento nas Mídias Sociais: Raça, Gênero e Sexualidade no Sistema Conferp. A proposta é analisar – na perspectiva de raça, gênero e sexualidade – a abordagem de algumas datas celebrativas ou de memória nas páginas do sistema Conferp no ano de 2018. O artigo completo já está disponível no meu Research Gate, aceito feedbacks. Em breve disponibilizo a apresentação. 😉

Update com a apresentação utilizada:

Sazonalidades e Posicionamento nas Mídias Sociais: Raça, Gênero e Sexualidade no Sistema Conferp from Taís Oliveira

Participe da pesquisa sobre o Afroempreendedorismo no Brasil

Desde 2017 venho estudando Afroempreendedorismo pelo prisma da Teoria da Economia Étnica no campo da comunicação digital para o mestrado. É uma temática que perpassa o histórico social e político da população negra no Brasil, sobretudo aspectos sobre trabalho, renda e educação, debates sobre identidades, racismo e movimentos sociais. Além de expor o próprio conceito e aplicações anteriores da Teoria da Economia Étnica e de métodos digitais para estudar comportamentos e agrupamentos online.

Meus métodos abarcam a Análise de Redes Sociais na Internet, entrevista semi-estruturada com os nós em destaque na rede e o formulário abaixo para Afroempreendedores. As perguntas estão estruturadas em três dimensões: a sócio-demográfica, sobre o empreendimento e sobre o Afroempreendedorismo e as respostas serão mantidas em total sigilo.

Então, se você chegou até esse post e é Afroempreendedor (empreendedor negro), peço, gentilmente, que colabore com essa pesquisa respondendo o formulário abaixo ou no link: http://bit.ly/pesquisa-afroempreendedorismo. Ou se você conhece alguém no perfil, colabore compartilhando o formulário com ela. Depois da defesa a pesquisa e a dissertação estarão disponíveis para consulta. 😉

Documentário Perfil Oculto discute seleção às cegas

O documentário Perfil Oculto é o produto final dos estudantes Gabriela Santos e Allan Ferreira (e agora formados) da USCS – Universidade Municipal de São Caetano do Sul. A proposta é discutir o conceito de seleção às cegas em recursos humanos – que é basicamente a análise apenas do currículo técnico sem qualquer identificação do candidato.

Porém esse método carrega uma série de implicações que necessitam de observações mais atentas, como compreender quais grupos sociais estão dentro dos “melhores perfis” do ponto de vista técnico e quais as razões que os levam a isso. Dessa forma o debate recai na temática da diversidade em processos seletivos, oportunidades de estudos e aperfeiçoamento, desigualdades sociais, racismo, LGBTfobia, entre outros.

Participei da produção falando sobre trajetória da população negra no Brasil, desigualdades, vivência de racismo no ambiente corporativo e meu ponto de vista a respeito desta técnica de seleção. Você pode conferir o documentário no vídeo abaixo.

Trampo de Preta – o empreendedorismo das mulheres negras

O Trampo de Preta é o produto final das estudantes de jornalismo (agora formadas) Caroline Fernandes, Paloma Sganzerla e Sarah Furtado da Faculdade Rio Branco. A plataforma tem como objetivo reunir e dar visibilidade às histórias de mulheres negras empreendedoras.

Participei da série falando da minha pesquisa sobre afroempreendedorismo e economia étnica, que você pode conferir abaixo. O material conta ainda com entrevistas de Maria Sylvia, Adriana Barbosa, Raquel Barbosa, Daniele Damata, Gisele Coutinho e Aline Medeiros. Para ver todas as entrevistas acesse o canal.

Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela” (Angela Davis)