Black Money, afroempreendedorismo e economia étnica

Na minha dissertação estudo afroempreendedorismo [nas mídias sociais] a partir da perspectiva de economia étnica (o sociólogo Ivan Light da Universidade da California é a referência aqui). Logo, em algum momento vou ter que contextualizar o “Black Money”, mas eu ainda não cheguei num nível de aprofundamento pra contribuir de forma efetiva nesse debate.

Mas de economia étnica posso dar uns pitacos. Economia étnica é o esforço coletivo de fazer circular não só o dinheiro, mas empregabilidade e oportunidades de crescimento profissional num determinado grupo étnico, em geral grupos que imigraram.

Dando um breve search no Google Acadêmico por “economia étnica” é possivel encontrar diversos artigos (a UFSCAR tem um trabalho enfático no tema), mas com foco em armênios, italianos, espanhóis, japoneses, chineses, se pah dá pra encontrar até de marcianos, jupiterianos, etc.

Mas a perspectiva dessa análise com foco em negros é inexistente. Primeiro, do meu ponto de vista, pq quando nos estudam só focam nas nossas dores, no racismo, na violência, na pobreza, etc. Segundo, pq nós não migramos, nós fomos sequestrados e escravizados pra gerar riqueza para outros grupos étnicos. Desse ponto de vista pode haver um conflito com a teoria (e a gente tá aqui é pra conflitar mesmo), mas nos demais aspectos, sobretudo no sentido de comunidade, a economia étnica faz bastante sentido no contexto que venho observando nas atuais movimentações de afroempreendedorismo.

Eu concordo que é um pouco inviável querer aplicar o “Black Money” dos EUA aqui. Os contextos são diferentes, o nosso próprio entendimento de negritude não é maduro, nós temos problemas sociais básicos sem uma perspectiva de resolução, nós temos um extermínio da população negra em curso, nós estamos vivenciando um retrocesso de todas as políticas públicas de afirmação (dentre as quais tive a oportunidade de estar na academia). E sim, pode existir divergências conceituais do termo. E sim, entendo que a grande crítica ao “Black Money” é o fato dele estar atrelado à estrutura bancária, mas qual outra solução viável existe pra esse ponto?

Mas uma coisa não inviabiliza a outra e é por isso, imagino eu, que as pessoas se engajam em causas diversas. Que no fim das contas todas são para melhorias de um determinado grupo social.

Também concordo que a estrutura da sociedade só muda a partir de políticas públicas de longo prazo e aí a gente agradece os que estão à longa data lutando por isso. Mas no curto prazo e individualmente é dinheiro sim que muda a vida das pessoas. É esse o sistema que a gente vive, infelizmente. E as coisas não vão se alterar do dia pra noite como num passe de mágica.

Eu posso muito bem me engajar em questões relacionadas às políticas públicas, mas também posso querer que os pretos ganhem dinheiro trabalhando arduamente (e a gente sabe que empreendedor trabalha muito mais que 8 hrs por dia) e promovam atividades que nos fortaleçam.

Os armênios, italianos, espanhóis, japoneses, chineses, marcianos e jupiterianos fizeram e fazem isso e ainda são temas nas universidades. Pq a gente não pode também?

PS: textão publicado primeiro no Facebook, relevem o internetês.

 


UPDATE [7/11/18]

Referências utilizadas na dissertação:

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural?. São Paulo: Letramento Editora e Livraria LTDA, 2018.

BARABÁSI, Albert-László. Linked – a nova ciência dos networks. São Paulo: Leopardo, 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 1ª ed. 1ª reimp. São Paulo: Edições 70, 2011.

BASTIAN, Mathieu et al. Gephi: an open source software for exploring and manipulating networks. Icwsm, v. 8, n. 2009, p. 361-362, 2009.

BOYD, Robert L. The organization of an ethnic economy: Urban black communities in the early twentieth century. The Journal of Socio-Economics, v. 41, n. 5, p. 633-641, 2012.

_____, Robert L. Urban locations and Black Metropolis resilience in the Great Depression. Geoforum, v. 84, p. 1-10, 2017.

BURDICK, Anne et al. Digital_Humanities. Mit Press, 2012.

CANCLINI. Nestor A. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade. 3ª ed. 1ª reimp. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

__________, Manuel. O poder da identidade; tradução de Klauss Brandini Gerhardt. A era da informação: economia, sociedade e cultura, v. 2, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, Antonio Barros de. Escravos e Senhores de Engenho no Brasil. Rio de   Janeiro: Zahar, 1976.

CELLARD, André et al. A análise documental. POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, Vozes, v. 295, p. 2010-2013, 2008.

CUNHA JUNIOR, Henrique. Tecnologia africana na formação brasileira. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

DANIELS, Jessie. Race and racism in Internet studies: A review and critique. New Media & Society, v. 15, n. 5, p. 695-719, 2013.

DE ALBUQUERQUE, Wlamyra Ribeiro; FRAGA FILHO, Walter. Uma história do negro no Brasil. Centro de Estudos Afro-Orientais, 2006.

DE AZEVEDO, Celia Maria Marinho. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites–século XIX. Annablume, 1987.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e Poder em São Paulo no Século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1995.

DOLABELA, Fernando. Pedagogia empreendedora. São Paulo: Editora Cultura, 2003.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

FERNANDES, Florestan. O significado do protesto negro. Cortez. São Paulo, 1989.

___________, Florestan. O negro no mundo dos brancos. 1ª Ed. Digital. Global Editora e Distribuidora Ltda. São Paulo: 2013.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educ. Soc.,  Campinas ,  v. 23, n. 79, p. 257-272,  Aug.  2002 .   Disponível em: from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000300013&lng=en&nrm=iso>. access on  02  Aug.  2017.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2016.

FREELON, Deen et al. How Black Twitter and other social media communities interact with mainstream news. 2018.

_________, Deen. The Measure of a Movement: Quantifying Black Lives Matter’s Social Media Power. Upenn. edu, 2016.

__________, Deen; MCILWAIN, Charlton; CLARK, Meredith. Beyond the hashtags:# Ferguson,# Blacklivesmatter, and the online struggle for offline justice. 2016.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

GOLD, S. J. Chinese-Vietnamese entrepreneurs in Southern California: an enclave withco-ethniccustomers? In: Proceedingsofthe American SociologicalAssociation, Anais. San Francisco, 1989.

GRUN, Roberto. Economia Étnica, teoria economia e a “escola da vida”. Pro-posições, v. 9, n. 1, p. 92-112, 1998.

IBGE, Coordenação de População de Indicadores Sociais. Características étnico-raciais da população: um estudo das categorias de classificação de cor ou raça. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=249891
IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. IBGE: Rio de Janeiro, 2016.

JACINO, Ramatis. Transição e exclusão. O negro no mercado de trabalho em São Paulo pós-abolição – 1912/1930. São Paulo: Nefertiti, 2014.

JARDIM, Suzane. Black Money: — Por que não fazemos o mesmo por aqui?. Disponível em: https://medium.com/@suzanejardim/black-money-porque-n%C3%A3o-fazemos-o-mesmo-por-aqui-43ddc0571fee

KOWARICK, Lucio. Trabalho e vadiagem – A origem do trabalho livre no Brasil.  Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência – o futuro do pensamento na era da informática.2ª ed. São Paulo: 34, 2010.

LIGHT, Ivan. Global entrepreneurship and transnationalism. in Dana Leo-Paul (org.): The Handbook of Research on Ethnic Minority Entrepreneurship: a co-evolutionary view on resource. Cheltenham: Edward Elgar, 2007

______, Ivan. The EthnicEconomy. in N. Smelser e R. Swedberg (org.): The HandbookofEconomicSociology. Princeton EP & Russel Sage, 2005.

MICK, Jacques. Relatório final de pesquisa – PBAE Igualdade racial, desenvolvimento, empreendedorismo e solidariedade: desafios para o Brasil Contemporâneo. Disponível em: <http://www.institutoiab.org.br/relatorio-final-de-pesquisa-pbae/>

MOORE, Carlos. Aimé Césaire–Discurso sobre a negritude. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

MOURA, Clóvis (org). Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EdUFAL, 2001.

_______, Clovis de. História do Negro Brasileiro. São Paulo: Ática, 1992.

_______, Clovis de. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.

MUNANGA, Kabengele. Negritude – Usos e Sentidos. 3ª ed. 1ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

_________, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil – identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

NOBLE, Safiya Umoja; TYNES, Brendesha M. The intersectional internet: Race, sex, class, and culture online. Peter Lang International Academic Publishers, 2016.

NÚCLEO, DE INFORMAÇÃO E. COORDENAÇÃO DO; PONTO, B. R. TIC domicílios 2016: pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros., 2017. Disponível em: <https://www.cgi.br/publicacao/pesquisa-sobre-o-uso-das-tecnologias-de-informacao-e-comunicacao-nos-domicilios-brasileiros-tic-domicilios-2016/>

OLIVEIRA, Taís. Redes Sociais na Internet, Narrativas e a Economia Étnica: breve estudo sobre a Feira Cultural Preta. In: SILVA, Tarcízio; BUCKSTEGGE, Jaqueline; ROGEDO, Pedro (orgs.). Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais. Brasília: Editora IBPAD, 2018.

________, Taís. Redes Sociais na Internet e a Economia Étnica: breve estudo sobre o Afroempreendedorismo no Brasil. Disponível: http://www.intercom.org.br/sis/eventos/2018/resumos/R13-1135-1.pdf

Pesquisa brasileira de mídia 2015 hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom, 2014.

RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

_________, Raquel; BASTOS, Marco & ZAGO, Gabriela. Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina, 2015.

REIS, João José e SANTOS, Flavio dos (orgs). Liberdade Por um Fio. São Paulo: Cia. das Letras. 1996.

_____, João José. Negociações e Conflito: A Resistência Negra no Brasil Escravista. São Paulo: Cia. das Letras, 1989.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Letramento Editora e Livraria LTDA, 2018.

RIEDER, Bernhard. Studying Facebook via Data Extraction: The Netvizz Application. Disponível em: <http://thepoliticsofsystems.net/permafiles/rieder_websci.pdf>

SANTIAGO, Eduardo Gerião. Vertentes teóricas sobre empreendedorismo em Schumpeter, Weber e McClelland: Novas referências para a sociologia do trabalho. In: Revista de Ciências Sociais, v. 40 n.2 Universidade Federal do Ceará, 2009. p. 87-103

SANTOS, José Carlos Ferreira dos. Nem Tudo era Italiano: São Paulo e Pobreza –   1890-1915. São Paulo: Annablume, 1998.

SANTOS, Joel Rufino dos. Saber do Negro. 1ª ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

SANTOS, Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. In: O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2008.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças. Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.

SEBRAE, Os donos do negócio no Brasil: analise por raça/cor (2001-2014). Disponível em: < http://bis.sebrae.com.br/bis/conteudoPublicacao.zhtml?id=7480>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2010). Relatório de Gestão do Exercício de 2009. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2011). Relatório de Gestão do Exercício de 2010. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2012). Relatório de Gestão do Exercício de 2011. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2013). Relatório de Gestão do Exercício de 2012. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2014). Relatório de Gestão do Exercício de 2013. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2015). Relatório de Gestão do Exercício de 2014. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2016). Relatório de Gestão do Exercício de 2015. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR, 2017). Relatório de Gestão do Exercício de 2016. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/sobre-2/relatorios-de-gestao>

Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br>.

SILVA, Tarcízio; STABILE, Max. (Org.) Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016.

SILVEIRA, SA. Ensaio: CONVERGÊNCIA DIGITAL, DIVERSIDADE CULTURAL E ESFERA PÚBLICA. In PRETTO, NL., and SILVEIRA, SA., orgs. Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. [online]. Salvador: EDUFBA, 2008.

TRUZZI, Mario Serra, Oswaldo; SACOMANO, Mário Neto. Economia e empreendedorismo étnico: balanço histórico da experiência paulista. Rev. adm. empres., São Paulo,  v. 47, n. 2, p. 1-12,  June  2007 .   Availablefrom<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75902007000200005&lng=en&nrm=iso>.

VIZEU CAMARGO, Brigido; JUSTO, Ana Maria. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, v. 21, n. 2, 2013.

 

2 ideias sobre “Black Money, afroempreendedorismo e economia étnica

  1. Taís, acabei de conhecer o site e já sou seu fã !! Parabéns, trabalho incrivel …. estou devorando varios textos !!!!

    Eu tenho um canal no youtube sobre Informação, cultura e Afro empreendedorismo…. faço os meus vídeos dando um re-significado a ideias propagandas na internet !!!

    Ei simplismente amei esse texto, e já estou trabalhando para conseguir transporta ele para o audiovisual …
    Te convido a conhecer o meu trabalho, depois me diz se curtiu…me manda um e-mail que será o maior prazer tracar ideias com você! Abraçosss e sucesso !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *