Diversidade étnica nos bancos de imagens, conheça o Nappy

Há cerca de um ano o Desabafo Social promoveu uma campanha de conscientização, questionamento e provocação sobre a homogeneização dos bancos de imagem. Depois da repercussão, o Shutterstock incluiu no mecanismo de busca um filtro de cor/etnia.

Porém, ainda hoje, sobretudo em plataformas gratuitas de bancos de imagens, é muito difícil encontrar diversidade e principalmente pessoas negras nas fotos. Para nós, profissionais de conteúdo e social media, é um desafio constante desenvolver um material próximo da realidade brasileira composta por uma população 54% negra.

Outro dia em conversa com amigas, a Nathália Alves indicou o Nappy, banco free com modelos negros em diversas situações.

No descritivo do site os criadores (que também são idealizadores da agência Shade) explicam:

Eu amo Unsplash, Pexels e Shot Stash, mas uma das coisas que notei é que todo o conteúdo deles poderia usar um pouco mais de diversidade. […] somos muito intencionais sobre a representação cultural no trabalho que fazemos. E por isso, nem sempre conseguimos encontrar as fotos que precisamos desses sites. […] Por exemplo, se você digitar a palavra “café” no Unsplash, raramente verá uma xícara de café sendo segurada por mãos pretas. É o mesmo resultado se você digitar termos como “computador” ou “viajar”. Você pode encontrar uma ou duas imagens, mas elas são muito raras. Mas os negros também bebem café, usamos computadores e certamente amamos viajar.

 

Considero essas iniciativas de extrema importância, ainda mais num contexto em que a diversidade têm se tornado pauta de forma relativamente massiva.

‘Mulheres que inspiram’ via República da Comunicação

Recentemente tive a honra de participar da série ‘Mulheres que Inspiram’ do pessoal da República da Comunicação/RP Manaus. A série tem como objetivo conversar com várias mulheres de realidades e profissões diferentes.

Falei sobre carreira, racismo, machismo, relações públicas, entre outras coisas. Então para quem quiser ler, clica aqui! 😉

 

Related Post

Construção de relacionamento no contexto da internet

Na última quarta, 21, tive o prazer de participar da aula inaugural do curso de Pós Graduação em Gestão da Comunicação Integrada do Senac Lapa Scipião, a convite da colega de área e professora na instituição Soraia Lima.

Falei sobre a construção de relacionamento no contexto da internet pensando relações públicas, mas também muito de comunicação integrada, múltiplas habilidades e sobre aspectos primordiais como diversidade, planejamento, relacionamento com imprensa e influenciadores. Bom, a quem interessar possa, lá no VRP disponibilizei o texto que escrevi para guiar as ideias e abaixo a apresentação na integra. 😉

 

Related Post

Aperfeiçoamento profissional: cursos online

Eu tinha muita dificuldade com cursos online, principalmente pela necessidade de presença física, a indisciplina e falta de organização, mas pelas metas profissionais e barreiras (tempo gasto com deslocamento, por exemplo) tive que desenvolver essa característica e agora sou a ~louca dos eads~.

Já falei aqui sobre o Why we post?, concluí uns, estou fazendo outros e gostando bastante. Para quem se interessar deixo uma listinha de EaDs que fiz (estou fazendo ou farei em breve):

  1. No Future Learn tem muitos cursos disponíveis, vários sem custo algum. Dentre as categorias é possível encontrar temas sobre negócios, natureza, criatividade, direito, saúde, línguas, etc. Aqui, especificamente, indico o The Power of Social Media e Understanding the General Data Protection Regulation.
  2. Precisa aprender ou dar uma atualizada no espanhol? O curso disponível na plataforma EaD da Universidade Federal do Vale do Rio São Francisco é muito interessante. Além das aulas com professor nativo, é possível baixar todo o material para consultas offline.
  3. Já no inglês indico o canal EngVid que é maravilhoso. Lá tem disponível centenas de vídeos, mais de dez professores que abordam gramática, expressões, inglês para negócios, pronuncia, preparação para provas e muitos outros tema.
  4. A Escola Virtual da Fundação Bradesco também tem vários cursos, muitos gratuitos. Os temas vão desde educação financeira, postura profissional aos vários níveis de pacote office.

Tenho feito outros, alguns pagos como o de social ads e um curso dentro das disciplinas do mestrado numa experiência inter-federais – o Introdução à Democracia Digital pelo INCT DD da UFBA. Para quem é da área de social media, indico esse post do Pedro com várias dicas e lista de cursos de aperfeiçoamento.

Tem outras indicações? Compartilha! 😉

Reports interessantes para acompanhar

Tenho acompanhado muitas newsletters, assinaturas de feed e grupos sobre diversos temas dentro do que me proponho a estudar. Então, para circular esse conteúdo, compartilho aqui um top 5 com algumas dessas informações que considero interessante acompanhar:

  1. O CGI – Comitê Gestor da Internet – publica constantemente relatórios e indicadores sobre a internet no Brasil. Esse ano nós já podemos contar com materiais sobre e-participação, uso das TICs em equipamentos de cultura e sobre acesso à informação e ética na internet.
  2. A Gênero e Número é uma plataforma especializada em produzir conteúdo com base em dados a respeito de mulheres. Está no ar uma série sensacional sobre mulheres na música. O material aborda bots, Twitter, ativismos e política, entre outros temas.
  3. A Artigo 19  acaba de lançar uma revista com dez artigos sobre os Desafios à liberdade de expressão no século 21. Entre xs autorxs estão Elvira Lobato, Natália Neris (Internet Lab), Silvana Bahia (Olabi), entre outros.
  4. Falando em Internet Lab, a organização tem uma biblioteca extensa com relatórios e pesquisa sobre diversos temas, que vão de privacidade e vigilância, liberdade de expressão, desigualdades e identidade, etc. Dica extra: assinem o semanário.
  5. A Cryptorave – evento que aborda segurança, criptografia, hacking, anonimato, privacidade e liberdade na rede – está com chamadas abertas para propostas de atividades da quinta edição que acontece nos dias 4 e 5 de maio e uma campanha no Catarse para viabilização do evento.