Desvendando os códigos do Afro-Empreendedorismo

Praticamente complementando o evento do dia anterior, na quinta-feira passada, 18, aconteceu o Black Codes: Desvendando os códigos do Afro-Empreendedorismo no espaço Cubo Cowrking em São Paulo. Promovido pelo Instituto Feira Preta e pela consultoria Black Codes, em parceria com o Consulado Americano, o evento trouxe uma roda de conversa com empreendedores negros e palestra com Eugene Cornelius Jr da Small Bussines Administration.

Na sequência: Regina Pfiffer, Juliana Martins, Yan Ragede, Fernando Cândido, Fernanda Leôncio, e Diego Gervaes

Com mediação de Regina Pfiffer da Aliança Empreendedora, a mesa foi composta por Juliana Martins da Cerveja Kula, Yan Ragede da Afrobox, Fernando Cândido do Rap Burger (que já está nos meus cases pela ótima atuação nas mídias sociais), Fernanda Leôncio da Afrobusiness (do evento que tive o prazer de palestrar na outra semana) e Diego Gervaes da Black Codes. Os painelistas contaram sobre seus empreendimentos, diferenciais competitivos, conquistas e desafios sobre ser negro e empreendedor no Brasil.

Na sequência ocorreu a palestra de Eugene Cornelius Jr que, a partir do que foi compartilhado na mesa, afirmou “Me convidaram para falar como a experiência de afroempreendedorismo nos Estados Unidos pode auxiliar as atividades no Brasil, mas vocês não precisam da minha ajuda. Vocês já sabem o que fazer. E vocês já fazem muito bem”. Eugene também falou sobre reafirmar constantemente os indicativos positivos da população negra e como a comunidade de empreendedores e empresários podem ser organizar a partir dos princípios da economia étnica, da importância de conquistar cargos de lideranças e de tomadas de decisão para fortalecer o grupo, sobre estabelecer parcerias e associações em sintonia com aquela famosa frase “quem caminha sozinho chega mais rápido, mas aquele que vai acompanhado vai mais longe”.

Foto: Cubo Coworking.

Foram dois dias intensos de imersão no tema afroempreendedorismo que, sem sombra de dúvidas, farão toda a diferença no desenvolvimento da minha pesquisa.

Afroempreendedorismo é tema de eventos em São Paulo

Na quarta-feira passada, 17 de maio, estive presente no evento ‘O ecossistema para a Promoção do Crescimento de Negócios de Alto Impacto Social’ promovido pelo BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Inova Capital – Programa de Apoio a Empreendedores Afro-brasileiros.

A programação contou com a presença de líderes de iniciativas civis e governamentais, empresários e participações internacionais para debater sobre investimentos, desafios e possibilidades do mercado para afroempreendedores. Entre os convidados estavam Ruth Pinheiro da ReafroLuana Marques Garcia fundadora do Inova Capital, Eugene Cornelius Jr da Small Bussines AdministrationVenita Fields da Pelham S2K, o professor Marcelo Paixão da Universidade de Austin-Texas que pesquisa economia e questões raciais e responsável pela pesquisa ‘Acesso ao crédito produtivo pelos microempreendedores afrodescendentes – desafios para a inclusão financeira no Brasil’, entre outros.

Destaco aqui a pesquisa apresentada pelo professor Marcelo Paixão da qual analisa o perfil de acesso ao crédito produtivo pelos microempreendedores (MEI’s) a partir da diferenciação de cor ou raça. O estudo, desenvolvido pelo Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e Estatísticas das Relações Raciais (LAESER) da UFRJ em parceria com o BID, é baseado em entrevistas de mil microempreendedores residentes das cidades do Rio de Janeiro e Salvador entre abril e junho de 2013.

A pesquisa aponta que os MEI’s pardos ou pretos, em comparação ao brancos, buscam menos por bancos na hora de obter crédito, pagam juros maiores, declaram incomodo dentro de estabelecimentos bancários e têm mais dificuldades no acesso a serviços financeiros. Entre os entrevistados negros 41,3% afirmam se sentir deslocados pela forma como são olhados dentro das instituições, 48,2% se sentem constrangidos e 60,8% declaram ser difícil ou muito difícil ter acesso ao crédito.

O estudo recomenda algumas políticas para a resoluções de problemáticas como essas destacadas acima, desde capacitação de agentes bancários, implementação efetiva de linhas de créditos para empreendedores negros, avaliação das regras aplicadas para liberação de crédito, entre outras sugestões.

É possível perceber que (também) nos espaços financeiros o racismo estrutural determina as regras. Mesmo a população negra no Brasil compondo 54% do país e movimentando, segundo a pesquisa Afroconsumo da Etnus, cerca de R$ 800 bilhões ao ano, ainda assim os bancos, principais interessados na rotatividade financeira ainda barram o acesso de pretos e pardos ao crédito, que para esses o pedido é recusado três vezes mais do que para brancos.

No dia seguinte, quinta-feira 18, participei do evento ‘Desvendando os códigos do afro-empreendedorismo’, conto mais sobre ele no próximo post.

Conheça as iniciativas de afroempreendedorismo

Na última terça-feira, dia nove, participei do workshop Startup A da Afrobusiness Brasil falando sobre mídias sociais como ferramenta de relacionamento para empreendedores. O evento contou também com as falas de Sérgio All – publicitário e um dos diretores da Afrobusiness – e da youtuber Patrícia Avelino.

Foto: Afrobusiness

Eu já havia falado sobre a Afrobusiness lá no Versátil RP, mas vale relembrar a importância dessa instituição. A associação tem como objetivo criar mecanismos de integração entre empreendedores, intraempreendedores e profissionais liberais negros, como foco no desenvolvimento econômico e de inclusão social desse grupo.

Objetivos que estão completamente alinhados com o contexto social de afroempreendedores no país. Segundo o relatório Donos de Negócios no Brasil: análise por raça/cor apresentado pelo Sebrae, há no Brasil 23,1 milhões de donos de negócios, dos quais 99% são empresas de micro e pequeno porte. Para o Pnad é considerado dono de micro e pequenos negócios aqueles que trabalham por conta própria sozinhos ou com sócio, mas não possuem empregados e aqueles que são empregadores de ao menos e somente um empregado. O relatório revela ainda que a porcentagem de donos de negócios autodeclarados pretos ou pardos cresceu 27% entre 2002 e 2012, resultando em 11,6 milhões de pessoas, número que representa 50% do total de donos de negócios.

Há ainda uma pesquisa sobre os participantes do Projeto Brasil Afroempreendedor (PBAE), encomendada pelo Instituto Adolpho Bauer (IAB) e pelo Coletivo de Empresários e Empreendedores Afro-brasileiros (Ceabra), em convênio com o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae) executada por pesquisadores do Centro de Filosofia e Ciências Humanas do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina com o objetivo de compreender o comportamento, perfil e os anseios dos empreendedores pertencentes ao PBAE, propor políticas públicas e avaliação institucional. O estudo apresenta a relação dos pesquisados com movimentos sociais e situações de racismo, sobretudo ao que se refere aos seus empreendimentos. Dentre as conclusões encontram-se apontamentos sobre a existência de redes solidárias, cooperação produtiva, combate ao racismo e valorização do orgulho negro e a internet entre os três principais canais de viabilização das atividades empresariais.

Como contei no post sobre a minha pesquisa de mestrado são temas e atividades que muito me interessam e na próxima semana estarei como ouvinte em mais dois eventos que acontecerão em São Paulo. Na quarta-feira, 17, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Inova Capital – Programa de Apoio a Empreendedores Afro-Brasileiros farão um encontro com lideranças dos Estados Unidos e do Brasil para um diálogo sobre iniciativas bem-sucedidas, aprendizados, desafios e oportunidades de ações para a valorização e o crescimento de negócios de alto impacto social. E na quinta-feira, 18, o Instituto Feira Preta e o Black Codes promovem o evento Desvendando os códigos do afro-empreendedorismo com apresentação de cases e uma roda de conversa com iniciativas em atuação, inclusive com presença da Afrobusiness.

Por fim, para quem se interessar pelo assunto mídias sociais para empreendedores, a apresentação já está disponível para consulta. 🙂

Profissionais e empreendedores negros, redes sociais e economia étnica

Como comentei em outras ocasiões, estou cursando mestrado em Ciências Humanas e Sociais na UFABC e passado o período de reescrita da proposta venho compartilhar meu objeto de estudo.

Logo depois do processo seletivo pensei em alterar alguns pontos pois percebi que teria obstáculos teóricos no andamento da pesquisa. A primeira proposta era: Análise do discurso na internet: um estudo sobre o afroempreendedorismo. Porém grande parte do referencial de empreendedorismo está no campo da administração, mas minha pesquisa será pelo viés das ciências sociais e eu não queria me distanciar disso. O projeto era ainda mais fragmentado pela questão do ‘afroempreendedorismo’, se empreendedorismo já não teria muita referência, imagina com esse recorte. É um ótimo desafio para doutorado, mas um passo de cada vez, rsss. Outro ponto é que se eu não falasse de profissionais negros talvez análises interessantes ficariam de fora.

Então, aguardei a atribuição de orientação, conversei com minha orientadora e estando ambas em conformidade ganhei uns dias para elaborar a nova proposta, que ficou da seguinte forma: Redes sociais na internet como promotora da economia étnica: um estudo sobre os profissionais e empreendedores negros. 

‘Redes sociais na internet’ me mantém em território conhecido, pois é a área que atuo no mercado da comunicação e que tenho certa bagagem de estudos. Retirei a análise do discurso que seria baseado em Foucault, embora eu vá usá-lo no referencial teórico não é mais um dos temas centrais. E substituí ‘empreendedorismo’ e ‘afroempreendedorismo’ por economia étnica que é um tema já discutido em sociologia econômica e que, vale dizer, estou adorando me aprofundar.

A metologia aplicada será a etnografia para a internet (HINE, 2015) em grupos de temas específicos dentro do Facebook e falar de empreendedores e também de profissionais abre o leque para conteúdos mais diversos. Por motivação pessoal eu já estou em alguns desses grupos há um tempo, aliás foi daí que surgiu a vontade de pesquisar as relações estabelecidas nesses ambientes e por já observá-los vi que alguns tem mais interação que outros, entre esses tem os que não são somente de empreendedores negros, são específicos de profissionais negros e outros ainda me dão a oportunidade de falar do recorte de gênero dentro do recorte de raça. Até então, são mais de 20 grupos diferentes dos quais serão selecionados (ainda não sei sob quais critérios) uns cinco que contenham empreendedores negros, profissionais negros e o recorte de mulheres negras.

Certo, mas e aí o que eu pretendo com isso? Descobrir como os profissionais e empreendedores negros utilizam as redes sociais na internet para promover a economia étnica. Entende-se por economia étnica as movimentações estratégicas de defesa e ajuda mútua de migrantes e de minorias étnicas, sobretudo para propor alternativas às possíveis exclusões e desvantagens no mercado de trabalho formal. Segundo Ivan Light, há duas formas de se caracterizar a economia étnica: estando num posto de decisão (podendo agir por influência para a contratação de co-étnicos) e sendo proprietário de um negócio (decidindo deliberadamente pela contratação de co-étnicos) (LIGHT, 2005). Mas para além do aspecto da contratação também pretendo verificar se existe a oferta de vantagens em relação aos produtos e serviços para membros dessas comunidades étnicas e como ocorre essa abordagem.

Há diversos estudos anteriores baseados na teoria da economia étnica como o de Truzzi e Netto sobre italianos, portugueses e espanhóis, de Grun sobre armênios e de Noronha que aborda empregabilidade étnica de forma mais ampla, porém minha pesquisa tem como premissa pensar a população negra como um grupo que também se articula economicamente, principalmente para tentar burlar os mecanismos racistas da sociedade, e que entendeu o papel fundamental da internet para a criação de “quilombos digitais”. Embora, e isso é uma preocupação no referencial teórico, a população negra no Brasil não pode ser considerada como migrante, pois a nós a escravidão foi imposta violentamente. Optei por falar de diáspora (HALL, 2003) e ainda usar referências de Kabengele Munanga, Joel Rufino dos Santos, Dennis de Oliveira, Mário Theodoro, Pedro Jaime, Clóvis Moura, Ramatis Jacino, Sueli Carneiro, Lélia Gonzales entre outros pesquisadores para a abordagem sócio antropológica da população negra.

Minha formação primeira é em comunicação, então estou numa grande imersão em temas da sociologia econômica e tem sido algo muito surpreendente. No mais positivo dos sentidos. Fazer essa troca de conceitos foi a decisão mais certa até então. E já de antemão agradeço aos docentes Regimeire Maciel, Ramatis Jacino, Paris Yeros e Maximiliano Barbosa pela atenção e sugestões de bibliografia em economia, trabalho e relações étnico-raciais, etc. Enfim, essa é a proposta inicial que pode mudar (e provavelmente mudará) conforme as coisas forem acontecendo, mas espero finalizar da melhor forma. 🙂

Referências bibliográficas

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HINE, C. Ethnography for the internet: embedded, embodiedandeveryday. Huntingdon, GBR: Bloomsbury Publishing, 2015.

LIGHT, Ivan. The Ethnic Economy in N. Smelser e R. Swedberg (org.): The Handbook of Economic Sociology. Princeton EP & Russel Sage, 2005.

Empreende Aí abre inscrições para curso online

Neste mês de abril, o negócio de impacto social empreende ai abriu as inscrições para o seu curso “Despertando o empreendedor”, o primeiro curso online do brasil voltado para empreendedores populares.

O Empreendei Ai é um negócio de Impacto social criado para disseminar conhecimento empreendedor e melhorar a vida das pessoas através do empreendedorismo, foi criado com o objetivo de trazer esses conhecimentos para as comunidades, dando à elas instrumentos para que possam empreender de maneira estruturada, consciente e diminuindo os riscos de insucesso.

Com o objetivo capacitar novos empreendedores e direcionar negócios já iniciados, o curso visa popularizar o empreendedorismo e alcançar áreas mais distantes e desenvolverem práticas empreendedoras.

Os alunos também contarão com Aulas de Autoconhecimento, Ideação e Modelagem de Negócios, para você tirar sua ideia do papel ou melhorar o negócio que já criou; poderão desenvolver SUAS HABILIDADES e utilizá-las para abrir o seu negócio sem grandes investimentos; terão Aulas com Professores que já participaram na criação de mais de 50 negócios dentro das periferias e capacitaram mais de 150 alunos, como Toddy Ivon e Monique Evelle; acesso a todos os conteúdos em formato MP3 para que você possa ouvir em momentos que não poder ver as vídeo aulas; acesso a todo o conteúdo do curso, que inclui 2 módulos com mais de 10 vídeo aulas, aulas com empreendedores de outros Estados com grande destaque no Brasil e no mundo e também e com quem começou empreendendo no Brasil produzindo com grandes artistas RAP/HIP HOP, e hoje empreende fora do país.

A abordagem adotada pelo Curso Online do Empreende aí, é pioneira e inovadora, e proporciona uma grande experiência para o aluno – ou seja, qualquer pessoa interessada em desenvolver conhecimentos em empreendedorismo pode se inscrever.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas até o dia 05 de maio, através do site.